HomeCidadesItupevaVereadores de Itupeva têm gasolina pra 7 voltas no mundo

Vereadores de Itupeva têm gasolina pra 7 voltas no mundo

Valores foram divulgados em jornais locais – Câmara vai gastar quase meio milhão de reais neste ano

O novo presidente da Câmara de Itupeva, Salvador Philomeno, divulgou nos jornais locais o quanto os vereadores da cidade poderão gastar neste ano. O total de despesas com fornecimento de gasolina, Internet, manutenção e serviços é de R$ 434 mil. São os termos aditivos e convites de processos administrativos. Não estão incluídos no pacote a folha de pagamento e outros serviços de manutenção, como o de elevadores.
Por partes: só em combustível a Câmara vai gastar R$ 68.778 – média de R$ 5.300 por mês. O felizardo fornecedor é o Posto Amigão de Itupeva Ltda. Nisso estão incluídos outros serviços, como troca de óleo.
Isso significa que, se os carros da Câmara forem abastecidos com álcool, os vereadores terão à disposição 30 mil litros durante o ano, suficientes para dar a volta ao mundo sete vezes. Ou quase a distância entre a Terra e Lua, de quase 400 quilômetros. Se usar gasolina, o passeio é mais curto – com o preço médio de R$ 3,11, daria 20 mil litros.
Os vereadores gastarão também R$ 5.273 por mês com prestação de serviços, suporte técnico e licença de programas de informática com a empresa Antonio João Wu Mon. O total é de R$ 63.276.
Tem mais: como as sessões da Câmara e as audiências públicas são gravadas e transmitidas via Internet, está contratada a empresa Moraes Longo Produção de Vídeos Ltda. ME. É o contrato de número três, que vai custar R$ 78 mil. Para a manutenção e suporte técnico de servidor de Internet há outra empresa – é a Openlegis Informática Ltda. Mais R$ 79 mil neste ano.
Calma que tem mais gente feliz com a gastança da Câmara. A Balanças Campos Comércio e Serviços, por exemplo, vai cobrar R$ 79.200 para dar manutenção dos aparelhos de ar condicionado (em Itupeva faz muito calor). E outra empresa, a Betin e Santos Ltda. vai fazer manutenção do prédio da Câmara – e lá se vão mais R$ 71.200.
Essa gastança, considerada exagerada por boa parte da população, está dando o que falar. Principalmente a quantidade de combustível – os tais 30 mil litros de álcool. Como se trata de dinheiro público, já tem gente pensando em acionar os promotores para que Salvador Philomeno explique melhor essa história.

Comentários